NOVA VIA EXPRESSA

A operação urbana Porto Maravilha implementou grande modificação no sistema viário da Região Portuária: a substituição do Elevado da Perimetral por conjunto que inclui a criação de uma Via Expressa e de uma nova rota paralela, a Via Binário do Porto.



A Avenida Rodrigues Alves dá espaço à Via Expressa, parte pelo Túnel Marcello Alencar, parte na superfície. Aberta totalmente ao trânsito em julho de 2016, ela serve a quem cruza a área como rota de passagem. Com a função de ligar o Aterro do Flamengo a Avenida Brasil e Ponte Rio-Niterói, tem 6.847 metros de extensão, com três faixas por sentido. Sem semáforos e saídas intermediárias, o Túnel Prefeito Marcello Alencar é o meio mais eficaz para cruzar a Região Portuária e o Centro. A galeria continente, com 3.370 metros e três faixas, tem capacidade para receber até 55 mil veículos por dia. A galeria mar, com 3.382 metros - também com três faixas - elevou a capacidade da Via Expressa para 110 mil veículos por dia. Na região do Porto Maravilha, as vias Binário do Porto (inaugurada em novembro de 2013) e Expressa substituem o conjunto Avenida Rodrigues Alves e Elevado da Perimetral com impacto positivo sobre o trânsito. A parte subterrânea permitiu a transformação do trecho da Praça Misericórdia à Yup Star na Orla Conde: 3,5 km de extensão para circulação de pedestres, ciclistas e Veículo Leve sobre Trilhos (VLT).

Clique no mapa para mais detalhes


TÚNEL PREFEITO MARCELLO ALENCAR

O túnel segue normas internacionais de segurança. Tem duas baias de refúgio em cada sentido e nove portas de emergência entre as galerias com distância aproximada de 300 metros entre elas - duas serão voltadas também ao acesso de veículos em atendimentos de emergências. A operação de cada galeria dispõe de oito conjuntos balizadores de faixa (equipamento conhecido como seta-xis) que indicam a condição de tráfego de cada faixa, 186 caixas de som para megafonia, 51 telefones de emergência (call box), seis Painéis de Mensagens Variáveis (PMVs) e 22 jato-ventiladores divididos em 11 pares 100% reversíveis. Sensores de gases CO e CO², detecção de calor e opacímetros também fazem parte dos equipamentos da via que tem ainda 1.430 luminárias monitoradas por meio de telegestão. A parte mais profunda do túnel fica a 43 metros abaixo do nível do mar.

Monitoramento 
No total, 105 câmeras foram instaladas no interior do túnel, sendo 51 (36 fixas e 15 móveis) na galeria Continente e 54 (36 fixas e 18 móveis) na galeria Mar. As imagens são monitoradas pelo Centro de Controle de Operações (CCO) da Cdurp que funciona 24 horas por dia nos sete dias da semana e é ligado ao Centro de Operações Rio (COR). A velocidade limite no túnel é de 80 Km/h em linha reta. O acesso ao túnel é proibido a caminhões, pedestres, skatistas e ciclistas - exceto aos domingos e feriados pela manhã quando acontece a Área de Proteção ao Ciclismo de Competição (APCC) Porto Maravilha.

Combate a incêndio
O túnel contém 106 hidrantes com saída dupla, cada uma com 30 metros de mangueira. Duzentos e doze extintores de incêndio distribuídos no interior do túnel podem ser acessados a cada 30 metros. Dois reservatórios de água com 30 mil litros cada têm capacidade equivalente a 12 caminhões pipa (de 5 mil litros) e são responsáveis por abastecer a rede exclusiva de combate a incêndio.

Em caso de emergência, ligar para 0800 8807678

Drenagem
O sistema de drenagem tem cisterna com capacidade útil para armazenar 390 mil litros de água, o que corresponde a 78 caminhões pipa (de 5 mil litros). É composto por quatro bombas, cada uma com capacidade de retirar 100 m³ de água por hora, o que corresponde a 20 caminhões pipa (de 5 mil litros) por hora em cada bomba.

Salas técnicas de apoio
Duas salas técnicas de apoio guardam o sistema de geradores, automação e subestações. Equipamentos são integrados ao CCO.

Metodologias construtivas
Nos diferentes estágios da obra, 1.100 funcionários participaram da construção iniciada em outubro de 2012. Durante este período, dos 450.000m³ de material escavados, 60% foram reaproveitados nas obras. Para a construção do novo túnel, a concessionária utilizou 250.000m³ de concreto.

OBRAS

As obras da Via Expressa tiveram início em outubro de 2012 com a abertura de um poço de serviço entre as ruas Sacadura Cabral e Venezuela, que serviu como base para as escavações em duas direções, rumo ao Armazém 8 e à Praça Barão de Ladário, ponto de instalação de outro poço. Da Barão de Ladário, os trabalhos seguiram para fazer a ligação com o Mergulhão da Praça XV. O poço de serviço é um recurso adotado na construção de túneis para reduzir impacto sobre o trânsito das cidades. A técnica cria espaço alternativo para a passagem de homens, máquinas e materiais (entrada e saída) a partir da instalação em terrenos e praças, reduzindo a necessidade de interdição de ruas e avenidas.

Poço de serviço em terreno entre as ruas Venezuela e Sacadura Cabral reduz impacto sobre trânsito
Poço de serviço em terreno entre as ruas Venezuela e Sacadura Cabral reduziu o impacto sobre trânsito durante as obras