IPN comemora 21 anos de achados e visitação recorde

Social, Cultural | 05/01/2017

O Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN) começa 2017 com as comemorações de 21 anos do achado do Sítio Arqueológico Cemitério Pretos Novos e dos números de  2016, ano em que registrou aumento significativo de visitantes. Nos últimos três anos, período em que teve apoio do Programa Porto Maravilha Cultural, o IPN contabilizou mais de 48 mil visitantes e 6.459 vagas ocupadas em cursos de formação. O crescimento recorde fica evidente na comparação com os nove anos anteriores, entre 2005 e 2013, quando o público somou 23.720.


Instituto Pretos Novos tem o objetivo de aprofundar pesquisas sobre a Diáspora Africana
A  descoberta do Cemitério Pretos Novos no dia 8 de janeiro de 1996, há 21 anos, se deu de forma curiosa. Durante uma obra em imóvel particular da Rua Pedro Ernesto 36, os proprietários Merced e Petruccio Guimarães encontraram a poucos metros do piso fragmentos de ossos. Assustados, procuraram arqueólogos da Prefeitura do Rio que identificaram restos mortais de jovens, homens, mulheres e crianças. Após pesquisas arqueológicas e negociações com órgãos de tutela de patrimônio, em 2005 o local tornou-se o Instituto Pretos Novos, centro cultural administrado pela família atualmente aberto ao público com o objetivo de aprofundar as pesquisas e ampliar o conhecimento da população em sobre a Diáspora Africana.
“Nada pode apagar uma história como essa. Apesar de grande mácula e de se entender que foi um dos crimes hediondos contra a humanidade, o destino não deixou ser enterrado. O IPN nasceu com força tímida, mas com a coragem para bradar aos quatro cantos da terra denunciando este Holocausto Negro. Sabemos que ainda há muito a ser construído e pesquisado”, defende Merced Guimarães, diretora do IPN.
Considerado o maior cemitério de escravos das Américas, estima-se que tenham sido enterrados de 20 mil a 30 mil pessoas na área. Parte integrante do Circuito Histórico e Arqueológico da Celebração da Herança Africana, o IPN funciona hoje como Museu Memorial, Galeria de Arte Contemporânea, Biblioteca e oferece programação de oficinas regulares. “As oficinas do IPN são importante complemento na formação de professores e na formação pessoal dos participantes que muitas vezes veem nas palestras um divisor de águas em suas atuações em sala de aula e na compreensão de estudos da História e Cultura Africana e Afro-brasileira”, avalia Merced.
Como parte das comemorações dos 21 anos dos achados arqueológicos da IPN, a instituição promove no dia 11 de janeiro lançamento do livro “Arqueologia da Persuasão – o simbolismo Rococó da Matriz de Santa Rita”, do professor João Carlos Nara Jr., com roda de conversa com o autor. No dia 13 de janeiro, o jornalista e pesquisador em história africana e islâmica Elhadji Diallo apresenta a palestra “África, Abrindo a Porta da História”. A partir do dia 16 de janeiro, curso especial sobre a história do Rio de Janeiro com ênfase na presença e participação negra será ministrado em quatro módulos. Para finalizar as atividades, a diretoria do IPN programa mesa especial de discussão com o tema “Novas perspectivas sobre o Valongo e o Cemitério dos Pretos Novos” com as pesquisadoras Daniela Yabeta, Hebe Mattos e Mônica Lima e mediação de Cláudio Honorato em data a confirmar.

Serviço

Instituto Pretos Novos (IPN)
Rua Pedro Ernesto 32-34, Gamboa
Atividades gratuitas com sugestão de doação para manutenção do espaço
(O curso sobre história do Rio de Janeiro com ênfase na presença e participação negra acontecerá no Museu de Arte do Rio - Praça Mauá 5, Centro)

“Arqueologia da Persuasão – o simbolismo Rococó da Matriz de Santa Rita”
Lançamento do livro do professor João Carlos Nara Jr.
Quarta-feira, 11 de janeiro
Prosa com o autor das 18h às 19h
Para confirmar presença: anc@pretosnovos.com.br

Palestra “África, Abrindo a Porta da História” com o jornalista e pesquisador em história africana e islâmica Elhadji Diallo
Encontro apresenta a luta sem violência na África Ocidental, na região Senagâmbia contra o Colonialismo na África liderada por Cheikh Ahmadou Bamba Mbacké
Sexta-feira, 13 de janeiro, às 14h
Inscrições e informações: comunicação@pretosnovos.com.br e (21) 2516-7089

Curso sobre a história do Rio de Janeiro com ênfase na presença e participação negra
Ministrado por Blonsom Faria, professor e pesquisador de Antropologia e doutorando em História Social da Cultura pela Universidade Federal Fluminense
Auditório do MAR (100 vagas)
Inscriçõese e informações: pos@pretosnovos.com.br e (21) 2516-7089

   Módulo 1 – Invasão, conquista e dominação (1567 a 1763)
Quarta-feira, 18 de janeiro, às 16h

   Módulo 2 – Consolidação de um Rio que nasce Porto (1763 a 1808)
Quarta-feira, 25 de janeiro, às 16h

   Módulo 3 – Do Rio Joanino ao cenário da abolição (1808 a 1888)
Quarta-feira, 1º de fevereiro, às 16h

   Módulo 4 – A cidade em movimento: república, reformas e desmontes (1889 a 1980)
Quarta-feira, 8 de fevereiro, às 16h

- A instituição pede doação de material de limpeza para a manutenção do imóvel. Sugestão de produtos: cera incolor Brilho Fácil; detergente casa azul ou verde; Veja multiuso; cloro gel; papel higiênico; rolo de saco de lixo de 200 litros; rolo de saco de lixo de 50 litros; copos descartáveis de 200 ml; e papel toalha claro.

Texto: Clarice Tenório Barretto / Foto: Bruno Bartholini