Especialistas debatem oportunidades no Porto Maravilha

| 29/11/2017

A Prefeitura do Rio, o Fundo de Investimento Imobiliário Porto Maravilha  (FIIPM), a Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp) e a Tishman Speyer promoveram o 1º Workshop Porto Maravilha no Edifício Aqwa Corporate nesta terça-feira, 28. O encontro, voltado a agentes de mercado, debateu perspectivas e oportunidades de negócios em rodas de conversas temáticas com painéis de especialistas, analistas e investidores. As rodadas abordaram Revitalização e Urbanismo; Tecnologia e Inovação; Patrimônio, Cultura, Gastronomia e Lazer; e Desenvolvimento Imobiliário. 


Workshop reuniu grandes nomes do mercado para discutir futuro dos investimentos na região, representantes das áreas de cultura, gastronomia, turismo, patrimônio, tecnologia e inovação dos setores público e privado
Presidente da Cdurp, Antonio Carlos Barbosa abriu o painel Revitalização e Urbanismo e reforçou a necessidade de atrair âncoras que alavanquem o desenvolvimento da Região Portuária. “Nós precisamos de habitação aqui. Para dar vida 24 horas principalmente aos bairros da Gamboa e Santo Cristo. Para termos mais gente morando precisamos atrair o que eu gosto de chamar de âncoras como já temos, por exemplo, o Museu do Amanhã, na Praça Mauá; e o AquaRio, também na Orla Conde”, defendeu. O assessor especial da Subsecretaria de Habitação, Carlos Portinho, reforçou acrescentando que a revitalização deve começar pela Rua do Livramento. “Acredito que não há desenvolvimento sem Habitação, e o Porto hoje é o lugar perfeito para essa combinação. Nosso foco agora é licitar imóveis para construção de habitação popular e começaremos pela Rua do Livramento, já que a prefeitura é proprietária de metade de seus imóveis”, explica.
Representantes dos grupos que atuam nas áreas de Tecnologia e Inovação debateram as condições favoráveis da Região Portuária para se transformar em um centro de referência. Hector Gusmão, da Fábrica de Startups, explicou que empresas de tecnologia têm crescido e demandado espaço para instalação, e os novos empreendimentos são uma perspectiva para esses grupos. Subsecretário de Desenvolvimento, Emprego e Inovação, Leonardo Soares informou que a Prefeitura do Rio trabalha ainda na criação de um novo ambiente regulatório. “Precisamos rever e modernizar nossa política de incentivos fiscais”, detalhou. Alexandre Varanda, da TCR, braço de telecomunicações da Porto Novo, apresentou a tecnologia da fibra ótica disponível na Região Portuária e falou sobre o processo de trazer para a área em revitalização a possibilidade da conectividade de qualidade a preço acessível.
O painel Desenvolvimento Imobiliário reuniu representantes do mercado para debater novas oportunidades e o cenário cada vez mais favorável para investir. "Em todos os painéis, ficou claro o quanto o mercado imobiliário do Rio de Janeiro ainda tem a oferecer em termos de oportunidade e potencial de investimento. Nesse contexto, a Região Portuária se destaca em razão da infraestrutura já disponível e da localização privilegiada. São características que pesam favoravelmente no momento em que as empresas buscam espaços de qualidade que proporcionem bem-estar e alto nível de produtividade para as suas equipes", avaliou Daniel Cherman, presidente da Tishman Speyer no Brasil ao lado de outros investidores como Marcelo Conde, presidente da STX ; Marco Adnet, diretor-executivo da Brookfield; e José Portinari Leão, presidente da JPL.
Representantes que debateram patrimônio, cultura, gastronomia e lazer, Marcelo Szpilman, presidente do AquaRio; Ricardo Piquet, presidente do IDG, organização social responsável pela gestão do Museu do Amanhã; Sávio Neves, presidente do Corcovado; Ricardo Amaral, conselheiro de Turismo do Município do Rio;  e André Luiz Meuzer Zambelli, coordenador de Monitoramento e Fiscalização do Instituto Rio Patrimônio da Humanidade (IRPH), confirmaram que investimentos em equipamentos e atividades culturais e de entretenimento têm encontrado receptividade. O Museu do Amanhã, inaugurado em dezembro de 2015, já atingiu 2,5 milhões de visitantes. “Desses, 40% não são frequentadores habituais de museus. E 12% nunca tinham visitado um museu antes”, ressaltou Piquet, afirmando que o museu da Prefeitura do Rio conseguiu criar esse espaço. Marcelo Szpilman, do AquaRio, destacou que o equipamento planejado por duas décadas e inaugurado há um ano já alcançou 1,5 milhão de visitantes no período. Ricardo Amaral aposta na Região Portuária para instalação de grupos de gastronomia internacionais e de renome. “A vocação cultural desta área é notória. Aqui os prédios dão qualidade. Podemos citar o Edifício A Noite, o do Touring, na Praça Mauá. O antigo e o novo estão protegidos por regras equilibradas e claras”, complementou André Zambelli, do IRPH.

Texto e foto: Bruno Bartholini