Primeira criança vacinada no Rio é moradora da Providência

| 17/01/2022

Meta é imunizar 560 mil crianças até o início de fevereiro

O prefeito Eduardo Paes, e os secretários de Saúde, Daniel Soranz, e de Educação, Renan Ferreirinha, deram início, nesta segunda-feira (17/01), à vacinação de crianças contra a Covid-19, no Museu do Amanhã, na Praça Mauá. O começo dessa nova etapa da campanha representa também mais um passo para superar a pandemia de coronavírus na cidade, com a ampliação da parcela da população protegida. A previsão é a de que 560 mil crianças, entre 5 e 11 anos, sejam imunizadas, de acordo com calendário escalonado por idade, até o dia 9 de fevereiro.

- É muito emocionante poder dar aos nossos filhos a esperança de que vamos superar esse momento ruim. Vim, aqui, fazer um apelo para que os pais cariocas acreditem na ciência, as pessoas estão deixando de morrer por causa da vacina. Não brinquem com a saúde de seus filhos, não acreditem em teoria fantasiosa, em mentira. Vamos vacinar nossa criançada e salvar o futuro dessa cidade – afirmou o prefeito Eduardo Paes.



Aluna do sexto ano da Escola Municipal Francisco Benjamin Gallotti, no Santo Cristo, Marion Timóteo Barbosa, de 11 anos, foi a primeira criança a ser vacinada. Ela contou que estava bastante ansiosa com a espera da chegada do dia de sua imunização.
- Pensei que fosse doer, mas não senti nada. A vacina é como se fosse uma medalha. A diferença é que a medalha coloco no peito e a vacina coloco no braço – contou a estudante, que coleciona medalhas conquistadas como lutadora de jiu-jitsu.
Além de Marion, todas as meninas de 11 anos poderão se imunizar nesta segunda-feira. Na terça-feira (18/01), será a vez dos meninos de 11 anos. Quem, desse grupo, tiver perdido as datas, poderá aproveitar a repescagem na quarta-feira (19/01). Já as crianças de 10 anos começam a ser vacinadas na quinta-feira, seguindo a divisão de meninas, no dia 20; depois os meninos, no dia 21; e, por fim, a repescagem, em 22 de janeiro. O calendário segue dessa forma, escalonado por faixa etária decrescente até 5 anos e por gênero, até o início de fevereiro.
O secretário de Saúde destacou que as equipes passaram por capacitação para a nova modalidade da vacina. Ressaltou ainda que as unidades de saúde têm se preparado para receber as crianças, até mesmo com a inclusão de decoração infantil.
- Nossa expectativa é vacinar 13 mil crianças somente no dia de hoje. Esperamos finalizar a campanha em meados de fevereiro, mas dependemos da chegada de mais doses do Ministério da Saúde. A Prefeitura tem capacidade de aplicar 130 mil doses por dia nas crianças – disse Soranz.



A vacina que as crianças entre 5 e 11 anos receberão será a Pfizer pediátrica, a única atualmente autorizada pela Anvisa para esse público. O esquema vacinal será feito em duas doses, com intervalo de oito semanas entre elas. A imunização contra a Covid-19 é comprovadamente segura na prevenção do agravamento da doença. Nas crianças, a eficácia da vacina alcança 90,7% uma semana após a segunda dose.
- Hoje é um dia extremamente especial, estávamos esperando começar a vacinação das crianças cariocas há muito tempo. Por isso, estamos utilizando 11 escolas espalhadas pela cidade para a vacinação. E se precisar a gente mobiliza outras unidades. Vamos continuar nessa parceria com a Saúde para que possamos priorizar a vacinação da nossa criançada – frisou o secretário de Educação, Renan Ferreirinha.
Para ser vacinada, a criança deve ir a um dos mais de 240 pontos de vacinação espalhados pela cidade acompanhada pelos pais ou responsáveis, com um documento de identificação e, se possível, a caderneta de vacinação. Crianças com deficiência e/ou comorbidades têm prioridade e podem ser imunizadas a qualquer momento, independentemente da idade, desde que tenham entre 5 e 11 anos. Todos os detalhes, incluindo a lista dos pontos de vacinação, podem ser acessados em https://coronavirus.rio/vacina.
 
Mãe de menino com doença rara faz apelo aos pais
Quem também se vacinou no Museu do Amanhã nesta segunda-feira foi o pequeno Davi Azeredo, de 7 anos. Ele tem uma doença rara (acidúria glutárica tipo 1), que compromete os movimentos do corpo. Emocionada, sua mãe, Tamara Azeredo, fez um apelo para que os pais não deixem de acreditar na ciência e imunizem seus filhos contra a Covid-19.
- Estamos em casa desde 2020, não fomos a restaurantes, shoppings e festas. Desde o início da pandemia, quando ainda não se sabia se teríamos vacina ou não, eu já tinha decidido me isolar para proteger o Davi. Quero aproveitar para dizer aos pais que não acreditem em nada que não seja a ciência, não acreditem em vídeos da internet ou das redes sociais. Proporcionem a seus filhos essa oportunidade de serem vacinados. Hoje me sinto dando uma nova oportunidade de vida para o Davi – celebrou Tamara.

Fotos: Anette Alencar e Beth Santos

Tags: