Um cais para a humanidade

Cultural | 12/07/2017

CONFIRA GALERIA DE FOTOS DO CAIS DO VALONGO DE 2011 A 2017

O Cais do Valongo, um dos maiores portos de desembarque de africanos escravizados do mundo redescoberto durante as obras do Porto Maravilha, é oficialmente Patrimônio da Humanidade. Após dois anos de trabalho, no dia 9 de julho, a Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) anunciou a decisão. Para comemorar o reconhecimento, o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), a Prefeitura do Rio e representantes de movimentos de promoção da igualdade racial se reuniram no sítio arqueológico na segunda-feira, 10 de julho, ao som do grupo Afoxé Filhos de Ghandi. O Rio reencontrou a história em 2011 durante as escavações para obras de infraestrutura. O projeto urbanístico passou por adaptações e transformou o cais em monumento aberto à visitação pública para manter viva a memória sobre um dos mais cruéis episódios da história da humanidade, a Diáspora Africana.

Cerimônia no Cais do Valongo para comemorar o reconhecimento como Patrimônio Cultural da Unesco / Bruno Bartholini
Diretora do Centro Cultural Pequena África, Celina Rodrigues, conhecida como Mãe Celina, participa da divulgação e preservação do sítio desde a descoberta em 2011. Após seis edições da Lavagem (evento do calendário oficial da cidade celebrado no primeiro domingo de julho), a sacerdotisa afirma que ainda consegue se emocionar ali. “O sabor hoje é outro, né? Não é só o título em si. É muito trabalho envolvido para atingirmos este grande marco para o Rio e para cultura africana. É de arrepiar”, avaliou.
A secretária Municipal de Cultura, Nilcemar Nogueira, comemorou a importante conquista que definiu como etapa essencial para o reconhecimento de uma memória que precisa ser revelada e, principalmente, reparada. “Este momento marca o início de uma nova fase em relação ao reconhecimento de uma história que, por muitas décadas, esteve nos subterrâneos do que oficialmente conhecemos do nosso País. A primeira medida agora será instalar um centro de referência no Cais do Valongo, como preconiza a Unesco, para que os próprios brasileiros conheçam um pouco mais sobre sua cultura”.
Gratidão foi a palavra escolhida por Milton Guran, coordenador do grupo de trabalho contratado pela Prefeitura do Rio para preparar o dossiê da candidatura, para definir o momento após o reconhecimento. “Essa cidade que tem o triste título de maior porto escravagista da humanidade é também a cidade que produz os dois maiores espetáculos da Terra: o desfile das escolas de samba e a comemoração do dia 31 de dezembro na praia. Essas duas maiores festas da humanidade estão calcadas na matriz africana”, lembra o historiador.
Coordenador de Relações Internacionais da Prefeitura do Rio, o embaixador Antonio Fernando Cruz de Mello exaltou participação fundamental dos africanos escravizados que desembarcaram no Valongo na construção do País: “A decisão da Unesco demonstra o papel relevante que os negros tiveram, têm e sempre terão na história do Brasil”.

---

Patrimônio Mundial ou Patrimônio da Humanidade é o título conferido a região, área ou sítio considerados pela comunidade científica de inigualável e fundamental importância para a humanidade por seu valor histórico, arqueológico, natural, ambiental ou um conjunto desses fatores para integrar a Lista do Patrimônio Mundial, divulgada e atualizada todos os anos pela Unesco. O programa foi criado pela Convenção para a Proteção do Patrimônio Mundial, Cultural e Natural, homologada em 23 de Novembro de 1972 na Conferência Geral da Unesco em Paris, França.
O programa recebe anualmente novas inscrições de sítios. As proposições são discriminadas por extensos dossiês que passam por análise, pesquisa e inspeção em processo que demora anos até ser referendado pela Lista do Patrimônio Mundial. O objetivo é salvaguardar internacionalmente a sua conservação por excepcional importância cultural e/ou natural como patrimônio comum da humanidade. Alguns sítios obtêm recursos do Fundo do Patrimônio Mundial, de acordo como o programa.
O site do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) lista os sítios do Patrimônio Mundial no Brasil:
Sítios do Patrimônio Cultural
1980 - A Cidade Histórica de Ouro Preto, Minas Gerais
1982 - O Centro Histórico de Olinda, Pernambuco 
1983 - As Missões Jesuíticas Guarani, Ruínas de São Miguel das Missões, Rio Grande de Sul e Argentina
1985 - O Centro Histórico de Salvador, Bahia 
1985 - O Santuário do Senhor Bom Jesus de Matosinhos, em Congonhas do Campo, Minas Gerais 
1987 - O Plano Piloto de Brasília, Distrito Federal 
1991 - O Parque Nacional Serra da Capivara, em São Raimundo Nonato, Piauí
1997 - O Centro Histórico de São Luís do Maranhão
1999 - Centro Histórico da Cidade de Diamantina, Minas Gerais
2001 - Centro Histórico da Cidade de Goiás
2010 - Praça de São Francisco, na cidade de São Cristóvão, Sergipe
2012 - Rio de Janeiro, paisagens cariocas entre a montanha e o mar
2016 - Conjunto Moderno da Pampulha
2017 - Cais do Valongo e da Imperatriz
 
Sítios do Patrimônio Natural
1986 - Parque Nacional de Iguaçu, em Foz do Iguaçu, Paraná e Argentina
1999 - Mata Atlântica - Reservas do Sudeste, São Paulo e Paraná
1999 - Costa do Descobrimento - Reservas da Mata Atlântica, Bahia e Espírito Santo 
2000 - Complexo de Áreas Protegidas da Amazônia Central
2000 - Complexo de Áreas Protegidas do Pantanal, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul
2001 - Áreas protegidas do Cerrado: Chapada dos Veadeiros e Parque Nacional das Emas, Goiás
2001 - Ilhas Atlânticas Brasileiras: Reservas de Fernando de Noronha e Atol das Rocas
 
Exemplos no Mundo
Baía de Ha Long (Vietnã)
Bam (Irã)
Catedral de Santa Sofia de Kiev, Conjunto de Edificações Monásticas e *Monastério de Kiev-PetcherskKiev (Ucrânia)
Centro histórico de Praga (República Tcheca)
Centro Histórico de Roma, Propriedades da Santa Sé nesta Cidade que gozam de Estatuto Extra-territorial e Basílica de São Paulo Extramuros(sítio transfronteiriço com a Itália)
Cidade Antiga de Dubrovnik (Croácia)
Cidade do Vaticano (Itália)
Cidade Pré-Hispânica e Parque Nacional de Palenque (México)
Cidade Velha (Cabo Verde)
Kremlin e Praça Vermelha de Moscou (Rússia)
Medina de Marrakesh (Marrocos)
Palácios Reais de Abomey (Benin)
Petra (Jordânia)
Reserva de Fauna de Dja (Camarões)
Ruínas de Loropéni, perto de Gaoua (Burkina Fasso)
Sítio arqueológico de Tsodilo (Botsuana)
Stonehenge (Reino Unido)