Cemitério dos Pretos Novos celebra seus 20 anos

Social, Cultural | 13/01/2016

Há 20 anos, a família Guimarães começou uma obra que mudaria definitivamente o rumo de suas vidas e da história. No primeiro dia da reforma da residência na Gamboa, o casal Ana Maria Merced e Petrúcio Guimarães encontrou a poucos metros do piso fragmentos de ossos. Assustados, procuraram arqueólogos da Prefeitura do Rio que identificaram restos mortais de jovens, homens, mulheres e crianças. O Sítio Arqueológico Cemitério dos Pretos Novos foi descoberto no dia 8 de janeiro de 1996. Desde então, a vida no imóvel 32 da Rua Pedro Ernesto não é a mesma.

Considerado o maior cemitério de escravos das Américas, estima-se que tenham sido enterrados de 20 a 30 mil pessoas, embora nos registros oficiais esses números sejam menores, 6.122 entre 1824 e 1830. Hoje a casa funciona como Museu Memorial, Galeria de Arte Contemporânea, Biblioteca e oferece programação de oficinas regulares. Em 2014 e 2015, passaram pelo centro cultural mais de 36 mil visitantes. “O IPN representa um crime contra a humanidade. É exemplo do que não se fazer. Chegaremos a um dia em que vamos nos respeitar, amar e ajudar, independente da cor ou crença religiosa”, defende Merced, diretora do IPN.

Para reverenciar os vinte anos de descoberta do sítio arqueológico, o Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN) organizou ampla programação no sábado, dia 16 de janeiro. Líderes religiosos vão celebrar culto inter-religioso. Roda de Conversa com convidados das áreas de Patrimônio, História, Arqueologia, Museologia, Urbanismo e Artes Visuais complementam as atividades. Para encerrar, o instituto preparou apresentações de cânticos sagrados, Vozes do Griot (herança de cultura oral passada por meio de poesias cantadas) e performances.

Programação dos 20 anos de respeito à memória
Sábado, 16 de janeiro de 2016, das 11h às 22h - Gratuito
Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos
Rua Pedro Ernesto, 34 - Gamboa - Rio de Janeiro
Telefone: (21) 2516-7089 - pretosnovos@pretosnovos.com.br

Culto Inter-religioso
Das 15h às 16h

Roda de Conversa
Das 16h às 18h
Mediador: Marco Antonio Teobaldo, curador do IPN

Primeira rodada
Família Guimarães (Merced, Petrúcio e filhas)
A descoberta que mudaria suas vidas. Memórias familiares e desafios institucionais.

Segunda rodada
Representantes do IPHAN, INEPAC e Washington Fajardo, do IRPH
Patrimônio como fonte de autoconhecimento e a importância do Sítio Arqueológico do Cemitério dos Pretos Novos no contexto local

Terceira rodada
Alberto Silva, presidente da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região Portuária do Rio de Janeiro
Preservação do Sítio Arqueológico do Cemitério dos Pretos Novos e a sua importância para a candidatura do Cais do Valongo como Patrimônio da Humanidade

Quarta rodada
Julio Cesar Medeiros, Claudio Honorato, Reinaldo Tavares e Carla Marques, pesquisadores do IPN
Descobrindo nossas raízes por meio de pesquisas do Sítio Arqueológico do Cemitério dos Pretos Novos

Quinta Rodada
Superintendência de Museus RJ, Curador do IPN e artistas visuais Isabel Lofgren, Patricia Gouvea, Alessandra Saladino
Os novos conceitos de Museus e a trajetória do IPN desde a sua fundação.

Finalizando
Colaboradores e amigos do IPN