O nome e o sobrenome do Píer Oscar Weinschenk

Cultural | 12/12/2011

Família Weinschenk luta pelo reconhecimento público de decreto de 2002 que nomeou o Píer

Oscar Weinschenk em seu escritório

Mauá não é o nome legítimo do píer mais famoso da cidade do Rio de Janeiro. Por direito, o Píer Mauá deveria ser conhecido como Píer Oscar Weinschenk. O nome é do engenheiro responsável pela construção, nos anos de 1948/49, do moderno projeto de ampliação do Porto do Rio de Janeiro, que tinha, entre outros objetivos, o de preparar a cidade para receber os estrangeiros na Copa do Mundo de 1950.

Com o Projeto Porto Maravilha, o Píer será palco da construção do Museu do Amanhã e vai experimentar, depois de 60 anos, ser mais uma vez o foco dos olhares da cidade. Para a família Weinschenk o projeto representa a oportunidade perfeita para o reconhecimento público e o resgate de um nome importante para a história do desenvolvimento do Brasil.

Segundo o Decreto nº 22.544 de 31 de Dezembro de 2002 o local se chama Píer Oscar Weinschenk. Mas quem foi Oscar Weinschenk? Essa é a pergunta que a família do engenheiro quer responder para a cidade. Nascido em 14 de julho de 1880, o engenheiro Oscar Weinschenk participou de construções históricas que contribuíram para o progresso do País. Oscar viveu sua vida em prol do desenvolvimento ferroviário e portuário do Brasil.

Mas não foi somente na área da engenharia que Weinschenk atuou. No governo de Epitácio Pessoa, foi nomeado prefeito de Petrópolis onde foi o responsável pela ligação rodoviária Petrópolis-Teresópolis, feita no prazo recorde de três meses, e pela plantação de hortências por toda a região. Apaixonado por Hortência Weinkschenk, mandou que plantassem as flores pela cidade. Poucos sabem que, por isso, hoje ela leva o apelido de “Cidade das Hortências”.

Em ofício destinado ao prefeito Eduardo Paes, César Weinschenk, neto do engenheiro, pediu a reconstrução de uma placa no Píer com o nome oficial do local. “A placa original era de bronze e não sabemos como ela sumiu”, destaca o neto de Oscar.

Para o resgate da memória e de arquivos importantes da história do engenheiro, a família Weinschenk contratou o historiador Fred Coelho, da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Com pesquisa nas principais bibliotecas nacionais sobre a atuação profissional e política de Oscar Weinschenk, fotos, documentos, textos e outros materiais começam a ser organizados. “Nossa ideia com esse trabalho é ter uma radiografia da vida dele, e que pessoas interessadas possam utilizar nossa pesquisa como fonte de estudo, pois realmente acreditamos na importância de nosso bisavô para o desenvolvimento do País”, diz Tola Faria, bisneto de Oscar Weinschenk.

Confira vídeo do www.CidadeOlimpica.com.br