Projeto Porto Maravilha

Pequenos negócios na Região Portuária

Primeira iniciativa será rodada de negócios no dia 8 de fevereiro. Projeto promoverá capacitação, consultoria e formalização, além de criar central de produtos e serviços

Prefeito Eduardo Paes fala durante assinatura do convênio com Sebrae-RJ / Foto: J. P. ENGELBRECHT

A Prefeitura do Rio de Janeiro e o Sebrae/RJ assinaram nesta quarta-feira, 14 de dezembro, convênio para estimular o desenvolvimento de pequenos empreendedores na região do Porto Maravilha. A ação será direcionada à promoção do crescimento dos negócios nos bairros da Saúde, Gamboa, Santo Cristo e parte do Centro, por meio de qualificação, acesso a novos mercados, inovação e tecnologia, entre outras soluções. O projeto é uma das iniciativas do Porto Maravilha Cidadão, braço social da Companhia de Desenvolvimento Urbano da Região do Porto do Rio de Janeiro (Cdurp), empresa da prefeitura responsável pela reurbanização da área de 5 milhões de m².

A primeira ação do convênio é uma rodada de negócios no dia 8 de fevereiro, para que empreendedores locais tenham a oportunidade de atender às necessidades e fechar contratos de fornecimento com grandes investidores da região. Pelo menos 20 empresas devem participar.

O convênio terá início com amplo estudo que identificará o cenário atual e as oportunidades de negócio para micro e pequenos empreendimentos a partir das obras do Porto Maravilha. Esse mapeamento, feito pelo Sebrae/RJ, também se estenderá às oportunidades criadas após as intervenções. O levantamento vai radiografar o tecido econômico, o que inclui a quantidade de negócios formais e informais, a rede local de fornecedores, suas expectativas, quem são seus principais clientes e como se financiam, entre outros aspectos.

A partir do resultado do estudo, com previsão de conclusão já no segundo trimestre de 2012, será elaborado um cronograma de estímulo a novos negócios. Entre as iniciativas, estão previstos programas de capacitação e consultorias, mutirões de formalização e disseminação de informações a pequenos empreendedores locais sobre oportunidades de negócios no território. Nesse planejamento também há ações para ampliar o acesso a novos mercados (como rodadas de negócios, feiras, missões e economia solidária), para incentivar e garantir o acesso a inovação e tecnologia, inclusão digital, intermediação de mão de obra e acesso a crédito.


Criação de Central de Produtos e Serviços

O estudo vai permitir a formulação de propostas para políticas públicas de incentivo aos pequenos negócios na região. ''Nosso projeto vai muito além da capacitação e consultoria aos empreendimentos. A proposta é planejar a intervenção econômica dos empreendimentos de forma que acompanhem a intervenção urbana na região. Vamos criar um grande plano estratégico que prevê a reconversão de algumas atividades que já existem, atração de novos empreendimentos que tenham a ver com a região, como empreendimentos de economia criativa, e apoiar atividades que possam ser impactadas com um eventual aumento do metro quadrado da região'', descreve Cezar Vasquez, diretor-superintendente do Sebrae/RJ.

Também será criada uma central de produtos e serviços empresariais. O modelo foi estruturado após a análise de bons exemplos internacionais e não tem similares em outros projetos de requalificação de regiões portuárias ao redor do mundo. O empreendedor encontrará, no mesmo espaço, um conjunto de soluções para desenvolvimento e gestão dos negócios dos bairros do Porto Maravilha.

Presidente da Cdurp, Jorge Arraes afirma que a proposta do convênio não é adotar um pacote fechado ou padronizado de incentivos, mas respeitar a particularidade da Região Portuária. ''A pesquisa, em parceria com o Sebrae/RJ, pretende obter um minucioso retrato do potencial da região que já passa por profundas transformações, com perspectiva de grande dinâmica de negócios. Faz toda a diferença a abordagem que estamos promovendo, porque ela não será congelada no período das intervenções, mas programa a continuidade do crescimento para as gerações futuras. Mais que fixar os empreendedores atuais, mira o desenvolvimento, cria melhores condições para quem vive na região e quer empreender e atrair novos negócios'', acrescenta.


Última atualização: 14/12/2011